Pequena, aconchegante, com risos, lágrimas e mais risos, assim foi nossa primeira roda de conversa!

Resenha dos temas abordados na 1ª Roda Obra Prima 13/06/2015

Segundo a Dra Eleanor Luzes, todos deveriam ter conhecimento sobre concepção, gestação, parto, amamentação e as mudanças que ocorrem nos três primeiros anos de vida do filhote humano: 1º ano lida com a gravidade; 2º ano desenvolve um linguajar de 500 palavras; 3º pensa e no final do 3º ano tem uma memória continua. Ela nos traz uma proposta de inserção desta instrução nas escolas a partir do ensino médio. Estudos revelam que Países como a Índia, Suécia e Venezuela que apresentavam alto índice de agressividade, problemas com suicido, assassinato, álcool e drogas, zeraram o nº destas tragédias, após mudarem a educação e iniciarem orientações com as mulheres antes mesmo do período gestacional e as acompanharem na fase Perinatal.

Pesquisa “Nascer no Brasil”,coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz em 266 hospitais públicos e privados (2014), apontam que 30% das entrevistadas não desejaram a gestação atual; 09% ficaram insatisfeitas e 2,3% tentaram interromper a gravidez,mostrando a importância de abordar a aceitação da gestação em consultas do Pré Natal e promover ações de apoio á gestantes,visto que é na primeira infância (da concepção aos 06 anos) que se estabelece o vinculo entre a mãe e filho com pequenos gestos de afeto e cuidado.

No primeiro trimestre as alterações psicológicas e emocionais da gravidez são marcadas por medo e alegria. A insegurança sobre as mudanças que ocorrerão depois que o bebê nascer, adicionada ao desconforto físico como náuseas, vômitos, insônia, cansaço e o temor da perda da gravidez que acontece com mais freqüência durante este período. O segundo trimestre é considerado o paraíso da gestação, a mulher começa a sentir a movimentação fetal e passa a acreditar que será mãe, surge então o dialogo com o filho que se fortalece por toda vida. Chegando ao final da gestação, no terceiro trimestre o abdome começa a pesar, surgem dores lombares, aumento do cansaço, receio sobre a dor que sentirá durante o trabalho de parto e duvidas se o bebê irá nascer saudável ou não.As alterações de humor voltarão, incluindo a

ansiedade pela hora do parto.Este turbilhão emocional é normal e passageiro, preserve um tempo para você e se organize para um parto mais tranqüilo.